Caio Bonfim encerra prova de marcha atlética com melhor volta da vida, consegue o quarto lugar e quer inspirar atletas

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 são a grande oportunidade de melhorar a cultura esportiva do país, afirma o marchador de 25 anos

221593 pressroom dd3083 large 1471199627

Apenas cinco segundos separaram Caio Bonfim, 25, da medalha de bronze da marcha atlética 20km dos Jogos Olímpicos Rio 2016: fez 1h19min42s, contra 1h19min37s do australiano Dane Bird-Smith. “O quarto lugar foi um resultado fantástico. Claro que todo mundo quer medalha, mas ser um atleta Olímpico já é um sonho”.

Caio diz que a última volta da prova foi a mais rápida de sua carreira. “No fim, fiz uma volta muito forte, a melhor volta da minha vida. Dei tudo e não sei se conseguiria fazer mais", avaliou o atleta. "Ser quarto colocado em uma Olimpíada, em uma modalidade que não é popular no país... Nunca tivemos um brasileiro entre os dez primeiros.”

Ter ido a Londres 2012, segundo Caio, foi determinante para este resultado. “Eu era um garoto e o índice exigido para ir foi muito forte. Mas precisava estar lá, para agora estar aqui. Londres me deu bagagem. Juntei todas as minhas experiências para a prova de hoje.”

Na marcha desde criança

Caio Bonfim, de Sobradinho, no Distrito Federal, cresceu em meio a marchadores, sob inspiração da família. A mãe, Gianetti, somou sete títulos do Troféu Brasil e oito de Copa Brasil de Marcha, mas nunca foi a Jogos Olímpicos. Treinado por ela e pelo pai João Senna, o jovem se emociona ao falar dois dois.

“Eles me apoiaram, investiram em mim. Represento os dois na pista porque o esporte nunca é individual e sim resultado de toda uma equipe", diz o atleta, que lembra ter enfrentado preconceito por ter escolhido essa modalidade do atletismo, que requer movimentos nos quadris. "Não teve um dia, nenhum dia em nove anos, que saí à rua para treinar e não ouvi xingamentos e gozações. E não teve um dia sem que eles me apoiassem. Tenho uma família maravilhosa.”

Download PDF
Download PDF
Sobre Sala de imprensa

Termos de Uso

Broadcasters Detentores de Direitos (RHBs): Os RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil, de forma não exclusiva, de acordo com os termos de seus respectivos contratos firmados com o COI.

Broadcasters Não Detentores de Direitos (Non -RHBs): Os Non -RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil (com exceção das cerimônias de abertura e encerramento), de forma não exclusiva, pelo prazo máximo de 36 (trinta e seis) horas após o evento. Qualquer transmissão relacionada a este evento, deve ser realizada de forma estritamente jornalística, sem criar ou ser apresentada como um programa focado no Revezamento da Tocha Olímpica.

Nenhuma associação comercial / promocional será permitida na cobertura do Revezamento da Tocha Olímpica. Principalmente, a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica não poderá (i) ser patrocinado ou de qualquer for criar uma associação que crie a impressão de que o Non -RHBs e/ou qualquer entidade sem autorização e/ou seus produtos são conectados ou associados ao Revezamento da Tocha Olímpica, ao Jogos Olímpicos, ao COI e/ou ao Movimento Olímpico e (ii) implique, sugira ou represente os Non -RHBs como sendo detentores oficiais dos direitos de transmissão e/ou parceiros do Revezamento da Tocha olímpica, dos Jogos Olímpicos, do COI e/ou do Movimento Olímpico.

Cerimônias de Abertura e Encerramento: A parte do revezamento que ocorrerá durante as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos faz parte dos direitos exclusivos concedidos aos RHBs e qualquer transmissão pelos Non-RHBs deve ser realizada em observância às Novas Leis de Acesso do COI.

Terms of Use

Rights Holding Broadcasters (RHBs): RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil, on a non-exclusive basis, in accordance with the terms of their respective media rights agreement with the IOC.

Non-Rights Holding Broadcasters (Non-RHBs): Non-RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil (with the exclusion of the opening and closing ceremonies), on a non-exclusive basis, for a maximum of 36 hours after the event. Any such broadcast must be positioned as news only and not to create, or be positioned as, Olympic torch relay focused programming.

No commercial/promotional association is permitted with the coverage of the Olympic torch relay. In particular, broadcast of the Olympic torch relay may not (i) be sponsored or otherwise be associated in any way to give the impression that Non-RHBs and/or any unauthorized entities and/or products are linked to or associated to the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement and (ii) imply, suggest or represent Non-RHBs as being official rights holding broadcasters and/or partners of the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement.

Opening and Closing ceremonies: The part of the torch relay occurring during the opening and closing ceremonies of the Games is part of the exclusive rights granted to RHBs and any broadcast by Non-RHBs must comply with the IOC News Access Rules.