Tecnologia ajuda a explicar recordes quebrados no Rio 2016

Talento e muito treino são fundamentais, mas atletas têm nas pistas e na piscina fortes aliados na busca pela melhor performance

222273 press%201 5932ed large 1471617715

Atletas de alta performance têm na tecnologia uma importante aliada. Não só a tecnologia dos equipamentos esportivos, mas também do campo de jogo. Isso é fundamental para ajudar na performance dos atletas e, consequentemente, na quebra de recordes.

“Claro que toda equipe que organiza Jogos Olímpicos procura os melhores fornecedores, tecnicamente falando. E os fornecedores também apresentam o que têm de mais avançado, porque nada melhor que resultados de atletas em Jogos Olímpicos para validar a qualidade de seus equipamentos”, observa Agberto Guimarães, diretor-executivo de esportes do Comitê Rio 2016.

Direto da Sibéria

O Velódromo do Rio é um ótimo exemplo. Em quatro dias, 19 recordes Olímpicos foram quebrados, 7 deles recordes mundiais.

A superfície usada na pista de cciclismo foi a mesma de Londres 2012, com pinho siberiano, que é muito resistente, mas também maleável para que sejam moldadas as curvas com precisão. Também é a madeira que oferece a superfície mais lisa, o que torna a pista muito rápida.

O projeto foi de Ralph Schurmann, da empresa alemã que leva o nome da família e atuou em sete Jogos Olímpicos (o último havia sido Pequim 2008).

Os velódromos exigem toda uma equipe de carpinteiros especializados para a instalação da pista. São instalações mais abafadas, já que nem a madeira pode ser afetada pela umidade do ar condicionado, nem os ciclistas podem ter a performance prejudicada por algum duto que jogue vento sobre a pista.

Gilles Peruzzi, diretor de pista da União Ciclística Internacional (UCI), lembra que por trás dos recordes estão vários elementos, não apenas a pista. “São cientistas que trabalham com os atletas por quatro anos, com relação a performance, bicicletas, claro, e também roupas. São os atletas que treinam duramente por quatro anos para atingir seu máximo nos Jogos Olímpicos. A pista tem sua parte nos recordes, mas não é o elemento responsável por eles. Não sei precisar em termos de classificação, mas a pista do Rio está entre as top do mundo.”

Sem "moleza"

No caso do atletismo, Agberto, ele mesmo um dos maiores atletas brasileiros nos 1.500m e 800m, diz que a pista é muito rápida. “Claro que se a pista é mais macia fica mais gostoso correr. Mas ela precisa ter seu grau de dureza para ser mais rápida”, observa, destacando a superfície instalada pela empresa italiana Mondo no Estádio Olímpico (Engenhão).

A pista, depois de instalada, passa por testes de tempo de resposta, feitos por toda a superfície, porque essa “reação” do piso também ajuda na performance, servindo para impulsionar o atleta à frente.

O atletismo no Estádio Olímpico, em seis dias de competição, teve dois recordes mundiais quebrados na pista: nos 400m, com o sul-africano Wayde van Niekerk (43s03), e nos 10.000m, com a etíope Ayana Almaz (29min17s45). Ainda saiu um recorde Olímpico, nos 3000m com obstáculos (8min03s24), do queniano Conseslus Kipruto.

Transparência

Também nas piscinas, descontado o “efeito Michael Phelps” (que, se não bate recorde, estimula os atletas a tentar), o Rio 2016 contou com um número bem expressivo de recordes. Em oito dias, foram estabelecidos 24 recordes Olímpicos. Desses, sete foram também recordes mundiais.

A piscina Myrtha – que é desmontável – é moldada em aço, já que a construção em concreto pode dar diferenças milimétricas nas medidas. Ela também tem características fundamentais para que seja rápida e, assim, ajude com os recordes.

Primeiro, o sistema de circulação de água. São de 6 a 8 mil litros por minuto, que saem e voltam à piscina. O transbordamento contínuo, nas 24 horas do dia, faz com que a água ‘respire”, porque a água é viva. Cada nadador que entra na água faz transbordarem de 70 a 100 litros. E, tendo mais água do que a piscina comporta, as ondas são diluídas.

Também ajuda o sistema de jatos, para que as ondas não interfiram nas provas. “Essa interferência, da superfície aos 30 centímetros de profundidade, é reduzida a zero”, diz Agberto. Outro fator importante: “A água é muito limpa e, assim, ajuda os nadadores a não errar as viradas. Para eles, a visão é importantíssima.”

A norte-americana Katie Ledecky bateu os recordes mundiais dos 800m (8min04min79s) e 400m livre (3min56s46); a sueca Sarah Sjostrom estabeleceu nova marca para os 100m borboleta (55s48); a húngara Katinka Hozssu, para os 400m medley (4mins26s36), e as australianas bateram o recorde mundial do revezamento 4x100m livre (3min30s65). Pelos homens, o britânico Adam Peaty fez 57s55 nos 100m peito, e o americano Ryan Murphy, 51s85 nos 100m costas.

Download PDF
Download PDF
Sobre Sala de imprensa

Termos de Uso

Broadcasters Detentores de Direitos (RHBs): Os RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil, de forma não exclusiva, de acordo com os termos de seus respectivos contratos firmados com o COI.

Broadcasters Não Detentores de Direitos (Non -RHBs): Os Non -RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil (com exceção das cerimônias de abertura e encerramento), de forma não exclusiva, pelo prazo máximo de 36 (trinta e seis) horas após o evento. Qualquer transmissão relacionada a este evento, deve ser realizada de forma estritamente jornalística, sem criar ou ser apresentada como um programa focado no Revezamento da Tocha Olímpica.

Nenhuma associação comercial / promocional será permitida na cobertura do Revezamento da Tocha Olímpica. Principalmente, a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica não poderá (i) ser patrocinado ou de qualquer for criar uma associação que crie a impressão de que o Non -RHBs e/ou qualquer entidade sem autorização e/ou seus produtos são conectados ou associados ao Revezamento da Tocha Olímpica, ao Jogos Olímpicos, ao COI e/ou ao Movimento Olímpico e (ii) implique, sugira ou represente os Non -RHBs como sendo detentores oficiais dos direitos de transmissão e/ou parceiros do Revezamento da Tocha olímpica, dos Jogos Olímpicos, do COI e/ou do Movimento Olímpico.

Cerimônias de Abertura e Encerramento: A parte do revezamento que ocorrerá durante as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos faz parte dos direitos exclusivos concedidos aos RHBs e qualquer transmissão pelos Non-RHBs deve ser realizada em observância às Novas Leis de Acesso do COI.

Terms of Use

Rights Holding Broadcasters (RHBs): RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil, on a non-exclusive basis, in accordance with the terms of their respective media rights agreement with the IOC.

Non-Rights Holding Broadcasters (Non-RHBs): Non-RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil (with the exclusion of the opening and closing ceremonies), on a non-exclusive basis, for a maximum of 36 hours after the event. Any such broadcast must be positioned as news only and not to create, or be positioned as, Olympic torch relay focused programming.

No commercial/promotional association is permitted with the coverage of the Olympic torch relay. In particular, broadcast of the Olympic torch relay may not (i) be sponsored or otherwise be associated in any way to give the impression that Non-RHBs and/or any unauthorized entities and/or products are linked to or associated to the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement and (ii) imply, suggest or represent Non-RHBs as being official rights holding broadcasters and/or partners of the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement.

Opening and Closing ceremonies: The part of the torch relay occurring during the opening and closing ceremonies of the Games is part of the exclusive rights granted to RHBs and any broadcast by Non-RHBs must comply with the IOC News Access Rules.