223346 agif16090116301047 609d45 large 1472760197

Belém recebe o Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 nesta sexta-feira

• Chama será acesa em cerimônia na Fundação ProPaz, na Praça Dorothy Stang, às 11h

• Belém é a segunda das seis cidades que receberão o revezamento da tocha Paralímpica, que segue para Natal, São Paulo, Joinville e Rio de Janeiro

• Stoke Mandeville, sede do Movimento Paralímpico, na Inglaterra também acende a sua chama nesta sexta-feira, dia 2 de setembro

Belém é o segundo destino da viagem da tocha Paralímpica pelo Brasil. A capital paraense recebe a chama nesta sexta-feira, dia 2 de setembro. O revezamento percorrerá todas as regiões do país, representadas por seis cidades brasileiras, para anunciar a chegada dos Jogos Rio 2016. Os valores Paralímpicos serão lembrados a cada cidade. A grande novidade da chama Paralímpica é o mecanismo de acendimento: calor humano. Numa campanha virtual lançada pelo Comitê Rio 2016, pessoas do mundo todo poderão enviar mensagens positivas, por meio de hashtag #ChamaParalímpica, acumulando energia suficiente para acender cada chama.

Nesta sexta-feira, às 19h (15h de Brasília), a chama da tradição será acesa no estádio da cidade de Stoke Mandeville, sede do Movimento Paralímpico, na Inglaterra. O tema do evento é “Sementes da Diversidade” e a ideia é mostrar que os valores Paralímpicos se espalharam pelo mundo, compartilhando os ideais do movimento sobre a diversidade. A cerimônia será comandada por Bradley Hemmings, um dos diretores da abertura dos Jogos Paralímpicos Londres 2012. Após o acendimento, a chama será enviada virtualmente ao Brasil para compor a chama Paralímpica que será levada ao estádio do Maracanã para a Cerimônia de Abertura, dia 7 de setembro.

 

·         A chama de Belém será acesa em cerimônia na Fundação Propaz, na Praça Dorothy Stang, às 11h, mas as atividades começarão às 10h com apresentações esportivas e de dança, como roda de capoeira, balé, hip hop, dança contemporânea e de salão.

·         Na capital paraense, a chama simbolizará a determinação, valor fundamental para o esporte, que nos faz seguir em frente para levar a habilidade física ao limite absoluto.

·         A atleta Dayane Victória será a mensageira deste valor em Belém. Ela pratica bocha desde 2013. Com apenas 12 anos, foi campeã dos Jogos Estudantis Paralímpicos Paraense na classe BC3 (atletas com alto grau de comprometimento motor). Em 2015, conquistou o tricampeonato e foi campeã da edição nacional da Paralímpiada Escolar, na cidade de Natal.

·         A chama segue para a sede do Serviço de Atendimento em Reabilitação (Saber), uma ONG que tem como missão buscar a inclusão social e a independência de vida de crianças e jovens com deficiência.

·         Do Saber o revezamento vai até ao Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC). A programação conta com atrações características da cultura paraense, como Carimbó e outras danças folclóricas. Um coral de libras abrirá o evento às 10h com o hino nacional e um trio de dançarinos em cadeira de rodas fará apresentação. Durante a tarde, a tocha Paralímpica passa ainda pela Apae.

· O Ginásio Altino Pimenta receberá a chama em festa. Vários projetos para a inclusão de pessoas com deficiência do governo estadual estarão representados em apresentações para o público. Mais de 150 alunos de municípios paraenses, como Belém, Barcarena, Moju e Augusto Corrêa, participarão da programação que terá demonstrações de bocha, futebol de 7, goalball e basquete em cadeira de rodas. Entre as apresentações artísticas estão previstas performances da dança do Siriá, Carimbó e uma aula de Zumba inclusiva.

· O Revezamento da Tocha Paralímpica percorrerá ainda as ruas de Belém, encerrando o dia na Praça Frei Caetano Brandão, às 17h10, com a cerimônia de celebração.·No sábado, dia 4, o Revezamento da Tocha Paralímpica segue para Natal (RN).

Números do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 em Belém

·62 condutores

·8 km percorridos por condutores

·27,5 km percorridos pelo comboio

Conheça alguns condutores do dia:

Valdir Soares de Moura - Pioneiro na criação da primeira equipe de basquetebol em cadeira de rodas do Pará, foi presidente da Associação dos Deficientes Físicos do Pará. Coordenou o fórum permanente de ações unificadas às pessoas portadoras de deficiência, altas habilidades e condutas típicas e foi diretor executivo da confederação brasileira de basquetebol em cadeira de rodas. Coordenador de programas e projetos especiais da Secretaria de Esporte e Lazer (Sejel), ajudou na criação da Federação de Esportes Paralímpicos do Pará (Fepepa). Em decorrência de acidente automobilístico, ficou paraplégico aos 22 anos.

Rosilene Cardoso Barreira - Primeira atleta feminina do estado a jogar basquete em cadeira de rodas. Primeira atleta paraense convocada para Seleção Brasileira de Basquetebol em cadeira de rodas. Atualmente, pratica dança esportiva em cadeira de rodas. Rosilene foi vítima de poliomielite.

Paulo Douglas de Oliveira Andrade - Foi convocado para integrar o departamento médico da Seleção Brasileira de atletismo Sub-23. Ex-atleta dos 400m com barreiras. Em 2008, representou o Pará na conferência nacional dos direitos da pessoa com deficiência, ano em que criou o projeto Estrelas do Futuro. Foi fisioterapeuta e técnico do para-atleta Felipe, hexacampeão nacional nas paralímpiadas escolares e vice-campeão brasileiro no Circuito Caixa Paralímpico. Atualmente coordena o projeto Talento Paralímpicos, através do Centro de Referência Inclusão Educacional (Crie) que tem o objetivo de favorecer o processo de inclusão escolar de crianças com deficiência através da prática esportiva.

Bruno Lins – Tem 27 anos e tem a superação como palavra que melhor define a sua trajetória. Ao nascer, apresentou um quadro grave de insuficiência respiratória icterícia (falta de oxigenação no cérebro) e foi desenganado pela equipe médica. Saiu do hospital com um quadro de paralisia cerebral e só deu os primeiros passos aos 10 anos. A equoterapia fui fundamental para o seu desenvolvimento. Bruno, descobriu o dom para o esporte e se tornou um velocista, competindo em provas 100, 200 e 400 metros rasos. É formado em recursos humanos e em educação física, cursa atualmente especialização em fisiologia e treinamento desportivo. Bruno conduz a tocha no Saber, a convite da Nissan, onde também fez todo o seu tratamento de reabilitação.

Elielson Silva – É atleta e já disputou uma série de maratonas, conquistando importantes resultados. É bicampeão da Maratona Internacional de São Paulo; disputou também edições da Meia Maratona do Rio e a Volta da Pampulha. Com paralisia cerebral, fez tratamento no Saber, onde cumpria programa de reabilitação multiprofissional. Conduz a tocha na entidade a convite da Nissan.

Wilson Corrêa – Técnico de basquete em cadeira de rodas, liderou o time brasileiro nos Jogos Paralímpicos Pequim 2008 e Londres 2012. Conduz a convite da Claro.

Débora da Costa – Joga basquete em cadeira de rodas desde os 17 anos e foi campeã brasileira em 15 edições da competição. Com a seleção brasileira, disputou duas edições de Jogos Paralímpicos: Pequim 2008 e Londres 2012. Em 2011, ganhou o título de melhor jogadora da modalidade em eleição do Comitê Paralímpico Brasileiro.

João Batista da Silva - Participou de duas campanhas de ouro do Brasil nos Jogos Paralímpicos, em Atenas 2004, quando a modalidade estreou nos Jogos, e em Pequim 2008. Na Grécia, além do título com a seleção, João levou outro prêmio para casa: o de artilheiro. Ele fez 9 dos 14 gols do Brasil no torneio e tornou-se o primeiro artilheiro da história do futebol de 5 nos Jogos.

Aline Corrêa – Dedica-se a atividade de audiodescritora. Por seu carisma e trabalho de alto nível e emoção, foi escolhida a Miss Belém dos 400 anos. Trabalha para a acessibilidade comunicacional das pessoas com deficiência visual.

Cleberson Menezes -  Depois de sofrer um acidente em 2002, Cleberson ficou paraplégico. Se tornou atleta paralímpico de atletismo, basquete em cadeira de rodas e de vôlei sentado. Hoje atua como professor de Educação Física e como técnico de vôlei sentado no Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC).

Luiz Rabello - Aos 28 anos sofreu um acidente que causou múltiplas fraturas. Como consequência, teve um encurtamento da perna esquerda e, por isso, usa muletas. Hoje, com 62 anos se orgulha da carreira de mais de 40 anos como percussionista e membro da orquestra do maestro João Carlos Martins. Há três anos, ele se recupera de um câncer na garganta, que não abalou o seu espírito de superação. Conduz a convite da Nissan.

Mariana dos Santos - Apaixonada por goalball, pratica o esporte desde os 15 anos.  Antes disso, fazia natação e, recentemente começou a praticar judô. Mariana conduz a tocha Paralímpica a convite do Bradesco.

Sobre o Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016

Entre os dias 01 e 07 de setembro, o revezamento da tocha Paralímpica percorrerá todas as regiões do país, representadas por seis cidades brasileiras, para anunciar a chegada dos Jogos Paralímpicos Rio 2016. A grande novidade da chama Paralímpica é o mecanismo de acendimento: calor humano. Numa campanha virtual lançada pelo Comitê Rio 2016, pessoas do mundo todo poderão enviar mensagens positivas nas redes sociais, por meio da hashtag #ChamaParalímpica, acumulando energia suficiente para acender as chamas. Cada uma simbolizará um valor Paralímpico: Brasília – igualdade; Belém – determinação; Natal – inspiração; e Joinville – coragem. Já São Paulo participa com o poder da transformação e o Rio de Janeiro com a paixão pelo esporte.

NÚMEROS

·         6 cidades brasileiras

·         250 quilômetros percorridos no revezamento

·         4650 milhas aéreas percorridas pelo avião do comboio

·         700 condutores

·         28 visitas especiais

 

Acompanhe a cobertura completa do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 em tempo real no nosso site e nas redes sociais do Comitê Rio 2016:

Snapchat: Rio2016

Os patrocinadores do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 são:

Sobre o Bradesco Esportes

O Bradesco é tradicional apoiador do esporte brasileiro e, consequentemente, se tornou patrocinador oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, nas categorias serviços financeiros e seguros; do Time Brasil, do Revezamento da Tocha Olímpica e da Tocha Paralímpica. O Banco apoia a realização dos Jogos Rio 2016 desde que a cidade maravilhosa se candidatou para sediar a competição, ainda em 2008. O Bradesco patrocina também seis confederações nacionais: judô, basquete, esportes aquáticos, rugby, vela e remo.

 

Nissan no Brasil

A Nissan, uma das maiores fabricantes de veículos do mundo, está presente no Brasil desde 2000 e opera hoje com mais de 160 concessionárias em todos os estados do País. A empresa produz veículos na fábrica da Aliança Renault Nissan, em São José dos Pinhais, no Paraná, desde 2002, e investiu R$ 2,6 bilhões na construção de seu Complexo Industrial próprio em Resende, no estado do Rio de Janeiro. Esta unidade industrial foi inaugurada em abril de 2014 e tem a capacidade de produzir 200 mil carros e 200 mil motores por ano. Atualmente, a unidade industrial fabrica o Nissan March e o Nissan Versa e os motores flexfuel 1.0 12V e 1.6 16V. Em breve, vai começar a produzir também o crossover Nissan Kicks.                              

A Nissan do Brasil é patrocinadora oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. A parceria contempla o fornecimento de cerca de 4.000 veículos de diversos tipos que atendem às necessidades dos Jogos. Além da parceria com o evento, a Nissan também patrocina o Revezamento das Tochas Olímpica e Paralímpica Rio 2016. A participação da Nissan nos Jogos Rio 2016 se dá, ainda, por meio do Time Nissan, programa de mentoria a 31 atletas olímpicos e paralímpicos brasileiros que buscam classificação e destaque nos primeiros Jogos Olímpicos e Paralímpicos sediados no Brasil. São mentores do grupo Hortência Marcari, maior ídolo do basquetebol feminino brasileiro, e Clodoaldo Silva, dono de 13 medalhas em Jogos Paralímpicos.

 

 

Sobre a Claro

A Claro é uma das líderes em telefonia celular, atua nacionalmente e atende a mais de 64 milhões de clientes. Está presente em mais de 3.700 municípios com as tecnologias GSM, 3GMax e 4GMax. Destaca-se na oferta de conteúdos e serviços inovadores e possui acordos de roaming em mais de 170 países para serviços de voz e mais de 150 para tráfego de dados, nos cinco continentes. É controlada pela América Móvil, líder em serviços de telecomunicações na América Latina e um dos três maiores grupos de telefonia móvel do mundo. Na área de responsabilidade corporativa, a operadora mantém o Instituto Embratel Claro, que tem como objetivo estruturar seu investimento social privado e estimular o uso de novas tecnologias na educação.

 

Loterias Caixa é apoiador oficial do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016.

 

Download PDF
Download PDF
Sobre Sala de imprensa

Termos de Uso

Broadcasters Detentores de Direitos (RHBs): Os RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil, de forma não exclusiva, de acordo com os termos de seus respectivos contratos firmados com o COI.

Broadcasters Não Detentores de Direitos (Non -RHBs): Os Non -RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil (com exceção das cerimônias de abertura e encerramento), de forma não exclusiva, pelo prazo máximo de 36 (trinta e seis) horas após o evento. Qualquer transmissão relacionada a este evento, deve ser realizada de forma estritamente jornalística, sem criar ou ser apresentada como um programa focado no Revezamento da Tocha Olímpica.

Nenhuma associação comercial / promocional será permitida na cobertura do Revezamento da Tocha Olímpica. Principalmente, a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica não poderá (i) ser patrocinado ou de qualquer for criar uma associação que crie a impressão de que o Non -RHBs e/ou qualquer entidade sem autorização e/ou seus produtos são conectados ou associados ao Revezamento da Tocha Olímpica, ao Jogos Olímpicos, ao COI e/ou ao Movimento Olímpico e (ii) implique, sugira ou represente os Non -RHBs como sendo detentores oficiais dos direitos de transmissão e/ou parceiros do Revezamento da Tocha olímpica, dos Jogos Olímpicos, do COI e/ou do Movimento Olímpico.

Cerimônias de Abertura e Encerramento: A parte do revezamento que ocorrerá durante as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos faz parte dos direitos exclusivos concedidos aos RHBs e qualquer transmissão pelos Non-RHBs deve ser realizada em observância às Novas Leis de Acesso do COI.

Terms of Use

Rights Holding Broadcasters (RHBs): RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil, on a non-exclusive basis, in accordance with the terms of their respective media rights agreement with the IOC.

Non-Rights Holding Broadcasters (Non-RHBs): Non-RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil (with the exclusion of the opening and closing ceremonies), on a non-exclusive basis, for a maximum of 36 hours after the event. Any such broadcast must be positioned as news only and not to create, or be positioned as, Olympic torch relay focused programming.

No commercial/promotional association is permitted with the coverage of the Olympic torch relay. In particular, broadcast of the Olympic torch relay may not (i) be sponsored or otherwise be associated in any way to give the impression that Non-RHBs and/or any unauthorized entities and/or products are linked to or associated to the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement and (ii) imply, suggest or represent Non-RHBs as being official rights holding broadcasters and/or partners of the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement.

Opening and Closing ceremonies: The part of the torch relay occurring during the opening and closing ceremonies of the Games is part of the exclusive rights granted to RHBs and any broadcast by Non-RHBs must comply with the IOC News Access Rules.