223488 agif16090414063389 8d6e28 large 1473012797

Joinville recebe o Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 nesta segunda-feira

• Chama será acesa em cerimônia no Centreventos Cau Hansen, às 11h

• Joinville é a quinta das seis cidades que receberão o revezamento da tocha Paralímpica, que segue o Rio de Janeiro

O Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 desembarca nesta segunda-feira, dia 5, no Sul do país. Joinville, cidade de Santa Catarina, é o destino da viagem. O revezamento percorre desde o dia 1º de setembro todas as regiões do país, representadas por seis cidades brasileiras, para anunciar a chegada dos Jogos Rio 2016. Os valores Paralímpicos são lembrados a cada cidade. A grande novidade é o mecanismo de acendimento da chama: calor humano. Numa campanha virtual lançada pelo Comitê Rio 2016, pessoas do mundo todo enviam mensagens positivas, por meio de hashtag #ChamaParalímpica, acumulando energia suficiente para acender cada chama.

A chama de Joinville será acesa em cerimônia no Centreventos Cau Hansen, às 11h. A chama da cidade catarinense simbolizará a coragem, valor que incentiva as pessoas a irem além das suas expectativas, mesmo que isso exija um grande esforço. A coragem é força propulsora não apenas para os atletas, mas para qualquer pessoa que esteja lutando por um objetivo.

Rosicler Ravache será a mensageira em Joinville. Professora de Educação Física, ela é coordenadora de Paradesporto na Fundação de Esportes, Lazer e Eventos de Joinville desde 2009. Tem ampla experiência com iniciação esportiva de atletas com deficiência, ministra palestras e cursos no Brasil e no exterior sobre esporte paralímpico e atividade física para pessoas com deficiência. Recebeu o Troféu Gustavo Kuerten de Excelência no Esporte, categoria Melhor Técnica do Paradesporto - Modalidade Atletismo em 2014 e 2015.

Depois de acesa, a chama Paralímpica vai visitar pontos turísticos da cidade, como o Parque Zoobotânico e o Mirante de Joinville, uma estrutura que fica no ponto mais alto do Morro da Boa Vista, na região central de Joinville (SC). De lá, é possível ver boa parte da zona urbana da cidade e a Baía Babitonga.

No Mirante, Fabrício de Souza, aluno da Apae, fará uma apresentação da música Billie Jean, de Michael Jackson.

A tocha Paralímpica será levada também a entidades que trabalham com pessoas com deficiência, como a Apae e a Ajidevi.  Na primeira entidade, integrantes do projeto “Anjos Macalossi”, da artista plástica Vanderléia Macalossi, prepararam uma apresentação especial para receber a chama. Oito bailarinos com asas feitas com penas formarão um corredor para a passagem do condutor. Na Ajidevi, o coral da entidade entoará o Hino de Joinville.

Também está prevista visita à sede do Corpo de Bombeiros e à Arena Joinville.

O Revezamento da Tocha Paralímpica vai ganhar as ruas de Joinville a partir da tradicional Rua da Palmeiras e percorrerá seis quilômetros. O revezamento segue em direção à Zona Norte da cidade, vai até o final da avenida Beira-Rio para então retornar ao Centro. O dia termina no Centreventos Cau Hansen com a cerimônia de celebração.

Os patrocinadores do Revezamento da Tocha Paralímpica prepararam ações especiais para o público que for ao Cau Hansen ver de perto a chama Paralímpica.

O Bradesco apresentará um espetáculo de dança com a participação de bailarinos especiais, ex-atletas paralímpicos que um dão um show de movimento.

Já a Nissan, levará o grupo de percussão Patubatê que se une ao maestro João Carlos Martins e a Camerata Bachiana de São Paulo para receber a chama Paralímpica com músicas e arranjos criados para o evento. Nos shows, os músicos vão tocar, além de instrumentos musicais tradicionais, alguns criados pelo Patubatê com peças do Nissan Kicks, carro oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.   

Haverá também apresentações de dança inclusiva com os grupos de dança do Instituto Cultural Ademar César e Segue.

Na terça-feira, dia 6, o Revezamento da Tocha Paralímpica segue para o Rio de Janeiro.

 

 

Números do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 em Joinville

60 condutores 

8,81km percorridos por condutores 

55km percorridos no total  

 

Conheça alguns condutores do dia: 

Ádria Santos - É a maior medalhista feminina paralímpica do Brasil. Com participação em seis Jogos Paralímpicos, conquistou 13 medalhas, sendo quatro de ouro, oito de prata e uma de bronze. Em toda a carreira, conquistou 73 medalhas internacionais e 558 nacionais. Nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, Ádria será subprefeita da Vila Olímpica. 

Marcos Henrique Evaristo - Aos 17 anos é atleta do Centro Esportivo para Pessoas Especiais (Cepe), em Joinville, e já coleciona dezenas de medalhas conquistadas em competições variadas de atletismo na classe T35 (paralisia cerebral), entre elas 100 e 200 metros rasos. Seus melhores resultados estão nos 100 metros rasos. Foi descoberto nos Jogos Escolares Municipais Paradesportivos (Jemps), em 2013. O esporte mudou a vida dele: o menino com dificuldades para caminhar e que era deixado de lado em brincadeiras na escola, agora, é visto como atleta de destaque. Conduz a convite do Bradesco.

Marili Gonçalves - Foi atleta de ginástica olímpica. Formada em Educação Física, tornou-se técnica de ginástica olímpica em São Bento do Sul. Sempre teve amor pelo esporte, por sua equipe, até que em um momento trágico nos jogos abertos, uma de suas alunas perdeu a vida em treino. Depois da perda, ela precisou buscar forças para seguir em frente, mas não conseguiu continuar na ginástica olímpica. Desde então, é professora de educação física em escolas públicas. Conduz a convite da Nissan.

Dina Regina Abreu – Atleta paralímpica de tênis de mesa desde 1995. No Parapan Rio 2007, foi terceira colocada na classe 6 e segundo lugar no Parapan Guadalajara 2010. Foi primeiro lugar no Ranking Nacional classe 6 de 2010 a 2015. Conduz a convite da Claro.

Ana Teixeira – Fundou, em 2002, o Centro Esportivo para Pessoas Especiais. Sua carreira é galgada na formação de atletas que competem em basquetebol em cadeira de rodas.  É coordenadora Centro Treinamento do esporte para os Jogos Rio 2016.

Vanderlei Quintino - Atleta Paralímpico de Natação desde 2000, é formado em Educação Física e, hoje, é técnico de natação da Fundação de Esportes Lazer e Eventos de Joinville. Cinco vezes campeão brasileiro de natação Classe S9, já participou de mais de 200 maratonas aquáticas. Colaborou para o desenvolvimento da natação paralímpica em Joinville e Santa Catarina e, como técnico, contribuiu para a formação de atletas medalhistas em competições nacionais e Internacionais.

Paulo Sérgio Suldóvski - Presidente da Associação Joinvilense para Integração dos Deficientes visuais (AJIDEVI), trabalha ativamente para a inclusão das pessoas com deficiência.

Gerson Knittel - Atleta guia desde 1987, guiou vários atletas em Jogos Paralímpicos, como Ádria Rocha Santos e Maria José Ferreira. Esteve em Atlanta, Sydney, Atenas e Pequim, somando um total de 11 medalhas para o Brasil.

Carlos Sestrem - Primeiro atleta Paralímpico de Santa Catarina, conquistou a medalha de bronze na maratona, categoria B1, nos Jogos Paralímpicos Seul 1988. Atualmente, é presidente da Federação Catarinense de Desportos de Cegos e Baixa Visão.

Sobre o Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016

Entre os dias 01 e 07 de setembro, o revezamento da tocha Paralímpica percorrerá todas as regiões do país, representadas por seis cidades brasileiras, para anunciar a chegada dos Jogos Paralímpicos Rio 2016. A grande novidade da chama Paralímpica é o mecanismo de acendimento: calor humano. Numa campanha virtual lançada pelo Comitê Rio 2016, pessoas do mundo todo poderão enviar mensagens positivas nas redes sociais, por meio da hashtag #ChamaParalímpica, acumulando energia suficiente para acender as chamas. Cada uma simbolizará um valor Paralímpico: Brasília – igualdade; Belém – determinação; Natal – inspiração; e Joinville – coragem. Já São Paulo participa com o poder da transformação e o Rio de Janeiro com a paixão pelo esporte.

NÚMEROS

•    6 cidades brasileiras

•    250 quilômetros percorridos no revezamento

•    4650 milhas aéreas percorridas pelo avião do comboio

•    700 condutores

•    28 visitas especiais  

Acompanhe a cobertura completa do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 em tempo real no nosso site e nas redes sociais do Comitê Rio 2016:

Snapchat: Rio2016

Os patrocinadores do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016 são:

Sobre o Bradesco Esportes

O Bradesco é tradicional apoiador do esporte brasileiro e, consequentemente, se tornou patrocinador oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, nas categorias serviços financeiros e seguros; do Time Brasil, do Revezamento da Tocha Olímpica e da Tocha Paralímpica. O Banco apoia a realização dos Jogos Rio 2016 desde que a cidade maravilhosa se candidatou para sediar a competição, ainda em 2008. O Bradesco patrocina também seis confederações nacionais: judô, basquete, esportes aquáticos, rugby, vela e remo.

Nissan no Brasil

A Nissan, uma das maiores fabricantes de veículos do mundo, está presente no Brasil desde 2000 e opera hoje com mais de 160 concessionárias em todos os estados do País. A empresa produz veículos na fábrica da Aliança Renault Nissan, em São José dos Pinhais, no Paraná, desde 2002, e investiu R$ 2,6 bilhões na construção de seu Complexo Industrial próprio em Resende, no estado do Rio de Janeiro. Esta unidade industrial foi inaugurada em abril de 2014 e tem a capacidade de produzir 200 mil carros e 200 mil motores por ano. Atualmente, a unidade industrial fabrica o Nissan March e o Nissan Versa e os motores flexfuel 1.0 12V e 1.6 16V. Em breve, vai começar a produzir também o crossover Nissan Kicks.                              

A Nissan do Brasil é patrocinadora oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. A parceria contempla o fornecimento de cerca de 4.000 veículos de diversos tipos que atendem às necessidades dos Jogos. Além da parceria com o evento, a Nissan também patrocina o Revezamento das Tochas Olímpica e Paralímpica Rio 2016. A participação da Nissan nos Jogos Rio 2016 se dá, ainda, por meio do Time Nissan, programa de mentoria a 31 atletas olímpicos e paralímpicos brasileiros que buscam classificação e destaque nos primeiros Jogos Olímpicos e Paralímpicos sediados no Brasil. São mentores do grupo Hortência Marcari, maior ídolo do basquetebol feminino brasileiro, e Clodoaldo Silva, dono de 13 medalhas em Jogos Paralímpicos.

Sobre a Claro

A Claro é uma das líderes em telefonia celular, atua nacionalmente e atende a mais de 64 milhões de clientes. Está presente em mais de 3.700 municípios com as tecnologias GSM, 3GMax e 4GMax. Destaca-se na oferta de conteúdos e serviços inovadores e possui acordos de roaming em mais de 170 países para serviços de voz e mais de 150 para tráfego de dados, nos cinco continentes. É controlada pela América Móvil, líder em serviços de telecomunicações na América Latina e um dos três maiores grupos de telefonia móvel do mundo. Na área de responsabilidade corporativa, a operadora mantém o Instituto Embratel Claro, que tem como objetivo estruturar seu investimento social privado e estimular o uso de novas tecnologias na educação.

Loterias Caixa é apoiador oficial do Revezamento da Tocha Paralímpica Rio 2016.  

Download PDF
Download PDF
Sobre Sala de imprensa

Termos de Uso

Broadcasters Detentores de Direitos (RHBs): Os RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil, de forma não exclusiva, de acordo com os termos de seus respectivos contratos firmados com o COI.

Broadcasters Não Detentores de Direitos (Non -RHBs): Os Non -RHBs podem fazer a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica no Brasil (com exceção das cerimônias de abertura e encerramento), de forma não exclusiva, pelo prazo máximo de 36 (trinta e seis) horas após o evento. Qualquer transmissão relacionada a este evento, deve ser realizada de forma estritamente jornalística, sem criar ou ser apresentada como um programa focado no Revezamento da Tocha Olímpica.

Nenhuma associação comercial / promocional será permitida na cobertura do Revezamento da Tocha Olímpica. Principalmente, a transmissão do Revezamento da Tocha Olímpica não poderá (i) ser patrocinado ou de qualquer for criar uma associação que crie a impressão de que o Non -RHBs e/ou qualquer entidade sem autorização e/ou seus produtos são conectados ou associados ao Revezamento da Tocha Olímpica, ao Jogos Olímpicos, ao COI e/ou ao Movimento Olímpico e (ii) implique, sugira ou represente os Non -RHBs como sendo detentores oficiais dos direitos de transmissão e/ou parceiros do Revezamento da Tocha olímpica, dos Jogos Olímpicos, do COI e/ou do Movimento Olímpico.

Cerimônias de Abertura e Encerramento: A parte do revezamento que ocorrerá durante as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos faz parte dos direitos exclusivos concedidos aos RHBs e qualquer transmissão pelos Non-RHBs deve ser realizada em observância às Novas Leis de Acesso do COI.

Terms of Use

Rights Holding Broadcasters (RHBs): RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil, on a non-exclusive basis, in accordance with the terms of their respective media rights agreement with the IOC.

Non-Rights Holding Broadcasters (Non-RHBs): Non-RHBs may broadcast the Olympic torch relay in Brazil (with the exclusion of the opening and closing ceremonies), on a non-exclusive basis, for a maximum of 36 hours after the event. Any such broadcast must be positioned as news only and not to create, or be positioned as, Olympic torch relay focused programming.

No commercial/promotional association is permitted with the coverage of the Olympic torch relay. In particular, broadcast of the Olympic torch relay may not (i) be sponsored or otherwise be associated in any way to give the impression that Non-RHBs and/or any unauthorized entities and/or products are linked to or associated to the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement and (ii) imply, suggest or represent Non-RHBs as being official rights holding broadcasters and/or partners of the Olympic torch relay, the Olympic Games, the IOC and/or the Olympic Movement.

Opening and Closing ceremonies: The part of the torch relay occurring during the opening and closing ceremonies of the Games is part of the exclusive rights granted to RHBs and any broadcast by Non-RHBs must comply with the IOC News Access Rules.